noite #5

Sempre fui uma pessoa caseira, o que me torna mais adaptável a esse caos. Isso por que consigo me entreter em meus próprios pensamentos. Gostoso é fazer do sonhar acordado, possibilidades, encontros e situações, como uma volta pelas rendeiras em uma tarde fria e ensolarada, com a serração pairando sobre os morros, a mente um pouco perdida por algumas taças de vinho tentando se encontrar em O Jardim das Veredas que se Bifurcam. Parece esquizofrênico até mas, é isso o que me salva e atormenta.

Última Lua.

Me defina! Talvez louco, talvez o Drácula? Qual deles? Um aspecto um tanto diferente dos demais, ousando ultrapassar a linha da loucura com reflexões torpezas. E o que me atormenta nisso tudo é que, o refinado gosto pelo sofisticado me traz um ar altivo das quais nunca me orgulhei, mas que também nunca recusei. Mais um gole de vinho?

Em ganhar tempo me perdendo em pensamentos, solitário, entretido em algo que talvez só eu mesmo poderia entender, vivo. Arrisco-me também a desenhar meus devaneios alcoólicos em um caderno em branco, vivendo uma realidade inventada por mim mesmo, o escritor. Sendo assim, sempre tenho esse aspecto dramático e romântico de sonhar com vidas, mas também, na solidão e no olhar reto, tenho algo vampírico!

As palavras podem ser moldadas e por elas se desenham encontros, acontecimentos que talvez sejam mais reais do que as lembranças do nosso passado, que vão se modificando à medida que vamos nos lembrando novamente. Talvez na infância eramos mais heróis do que nos lembramos agora. E no desafio da lembrança infantil em se projetar como adultos, nos vemos perdidos em redes sociais, consumindo merda.

Viu só! O final com um palavrão descentralizou toda a ideia textual! As palavras podem moldar, desenhar encontros, alterar a percepção das coisas. Fazer você sonhar, encantar! Talvez seja também uma forma de feitiçaria, alterando o estado da realidade de quem o lê, o colocando na posição do personagem, que dependendo do conto, pode inspirar ou deprimir.

Agora ficou claro que minha definição está mais para o louco mesmo. Concordo, nunca disse o contrário! É assim que prefiro não compartilhar do que guardo em meus pensamentos mas, ironicamente simpático, gosto de experimentar a vida! Mais um gole de vinho?

Onde encontrarei outro igual a mim? São iguais a mim todos aqueles que por si próprios definem sua vontade e se livram de toda resignação.

Zaratustra

Boa noite.